Oi pessoal, como vocês estão nessa semana fria e nublada? Eu tô bem e muito feliz que o tempo mudou, não estava mais aguentando aquele calor todo, ainda mais aqui que chega a ser quente demais para essa época do ano </3

Bom, semana passada fui a uma loja da "Quem disse, Berenice?" e saí de lá com a sacola na mão e um sorriso enorme no rosto. A minha intenção não era comprar nada (juro), só queria passar para ver as novidades, mas sou aquele tipo de cliente que (as vezes) compra por impulso e foi isso que aconteceu.
Não tenho nada de ruim (ainda) para falar sobre os produtos que adquiri nessa compra e nem nas anteriores. A QDB virou minha marca brasileira de maquiagem favorita; a qualidade, duração e pigmentação dos produtos nunca me decepcionaram. Já até fiz uma listinha das minhas próximas compras lá <3 

Lista dos produtos:

Corretivo
Primer
Pó bronzer
Base mate

Pó facial bronzer - Bronzito

Primer liquido para olhos - Transparente

Base líquida mate - 11 K

Corretivo - 32 HI

Essas embalagens são uns amores, não são? <3

O post não é para fazer resenha e sim para mostrar os produtos, por isso não vou falar o que achei de cada um, MAS NECESSITO FALAR SOBRE A BASE: faz muito tempo que parei de usar base no dia a dia, que acabei parando de comprar. Como as bases com efeito "mate" estão em alta, resolvi testar e simplesmente AMEI o resultado dela na minha pele. Só tive um problema: não prestei atenção e comprei uma cor muito escura, mas resolvi misturando o pouco com um BB Cream que tenho, que é bem clarinho, e mesmo com essa mistura, a base não perdeu a qualidade original e cobriu muito bem o rosto e permaneceu intacta por bastante tempo.


Ah, sigam meu Instagram, sempre posto sobre o que vai acontecer no blog lá <3 ;)

Beijinhos e até a próxima :*
Imagem: modpodgerocksblog.com
Uma das primeiras coisas que a gente pensa quando vai morar sozinho, é nos móveis e na decoração. Bom, pelo menos eu pensei assim, mas como no começo não tínhamos espaço para móveis, fui atrás de utensílios para decorar outras partes da casa, que a deixariam mais a nossa cara.
Fiquei tão apaixonada pelas estampas geeks que achei, que resolvi montar uma wishlist para ir adquirindo de pouquinho em pouquinho.

Imagem: Reprodução

1 - Jogo Americano gamer
2 - Porta copos de quadrinhos
3 - Prateleira Super Heróis
4 - Caixa de remédios de metal
5 - Tábua de madeira Batman
6 - Luva térmica Mulher Maravilha
7 - Porta chaves Senhor dos Anéis
8 - Capacho Breaking Bad

Gostaram?

Ahh e vocês viram que o blog está de domínio novo? Semana passada me deu a louca e resolvi comprar! :D

Beijinhos e até quinta.

Oi pessoal, como vocês estão? Hoje vou contar um pouquinho de como foi meus primeiros meses depois de ter saído da casa dos meus pais. Esse é o primeiro de três (até o momento) posts que vou fazer sobre o assunto.

Tudo começou quando conheci meu namorado, Henrique, estávamos junto há apenas três meses; um se conhecendo e dois namorando (conto em outro post como nos conhecemos). Na época, nós trabalhávamos e estudávamos, coincidentemente trabalhávamos no mesmo shopping e morávamos bem perto um do outro, o que facilitou bastante nosso relacionamento. O shopping em que trabalhávamos era, também, perto de nossas casas e as vezes até combinávamos de chegar lá o mesmo horário, para podermos namorar um pouquinho, depois disso, só nos víamos na hora que íamos almoçar ou quando combinávamos de fumar juntos. Estávamos tentando terminar o ensino médio, ele estava no terceiro ano e eu no segundo. Nosso horário de trabalho era de manhã e estudávamos a noite, o único horário livre que tínhamos para ficarmos juntos, era depois da escola, o que não era muito flexível, pois ambos acordariam cedo no dia seguinte. Mas mesmo assim, ficávamos horas conversando na praça do condomínio onde meus pais moravam e as vezes ficava tarde demais para ele ir embora, então eu insistia para que ele dormisse em casa, mesmo sem a "permissão" dos meus pais. E foi aí que começou a complicar, era uma guerra tentar convencê-los a deixá-lo dormir lá, "nada pessoal", mas eles diziam que eu teria de "merecer" a presença dele em casa. Eu não tinha mais tempo de fazer aquelas trocas de "você faz isso, para ganhar aquilo" que meus pais propunham desde que era adolescente. (Antes que pensem que o Henrique causou brigas entre minha família e eu, foi muito pelo contrário; ele tentava me dizer para ir com calma e eu, na empolgação com o nosso relacionamento, fui querendo tudo na hora e acabei não tendo nada). Eventualmente paramos de estudar, o tempo depois do trabalho ficou só para nós. Claro que nossas famílias não iam deixar barato trocar os estudos pelo namoro, e foi então começaram as "ameaças" de sempre, "se não estudar, não vai mais morar aqui". A convivência com meus pais já não era a das melhores e nem a dele com os avós.
Um dia estávamos sentados no fumódromo do shopping, conversando sobre nossas famílias, quando o Henrique falou que queria sair de casa, porque não agüentava mais os avós o pressionando. Estava ouvindo tudo quieta, apenas digerindo o que ele ia falando e me identificando com a situação. A gente brinca até hoje que eu me convidei para morar com ele, mas foi a verdade, quanto mais ele falava, mais eu tinha certeza de que era aquilo que eu queria. Sem pensar duas vezes, falei que ele não ia passar por isso de novo sozinho e que se fosse para ele sair de casa, eu iria junto. E não deu outra, no dia seguinte (literalmente), já havíamos conseguido um lugar. Uma cliente da loja onde ele trabalhava, estava alugando uma casa na favela atrás do shopping.


A "casa" era um kitnet de um cômodo sem paredes para dividir a cozinha, quarto e a pequena sala que conseguimos montar. O banheiro era o único fechado com paredes. A casa era dentro de um quintal com mais cinco residências parecidas com a nossa, de um lado eram três casas, uma em cima da outra e do outro a mesma coisa. O quintal era mais utilizado para uma família, que ao nosso parecer, fora uma das primeiras a morar ali. Eram dois lances de escadas cansativos, até chegar a nossa porta de alumínio. Ao abrir a porta, já dava de cara com o banheiro, que era um pequeno cubículo do lado da cozinha. Poucos passos depois, havia o espaço que chamávamos de quarto, porque ali era o único lugar que cabia uma cama de casal. Como a estrutura da casa era funilada, depois do quarto, tínhamos uma minúscula sala que cabia uma poltrona encostada na parede, onde tinha uma pequena janela quadrada que dava vista para o quintal e algumas residências ao lado. A casa se localizava dentro de uma das várias vielas paralelas a primeira rua da comunidade, a avenida principal era uma descida ao lado do shopping, a localização era ótima! Podíamos ir trabalhar andando e o percurso demorava apenas 10 minutos. O quintal da casa não era aquela coisa social, que você podia chamar os amigos e fazer um churrasco, sem atrapalhar as outras famílias que moravam ali. Por falta de um lugar coberto e que fosse "privado" apenas para nós, não tínhamos máquina de lavar, lavávamos a roupa uma vez por semana, na casa da minha mãe. Faltavam também, alguns móveis e eletrodomésticos que não cabiam na casa.
Não tínhamos muita liberdade e nem espaço. Era um lugar solitário e meio depressivo, mas foi uma escolha nossa morar lá, queríamos começar por baixo para depois subir sem cair. Foi uma lição que o Henrique e eu aprendemos e somos muito gratos por todas as dificuldades que passamos, porque no final, conseguimos dar a volta por cima.

Beijinhos e comentem ♡

Oi pessoal, sei que sumi por um tempo, mas estava trabalhando no novo layout e logo do blog. Eu geralmente demoro uma semana pra editar tudo do jeito que eu gosto, então por isso a demora :P
Bom, hoje vou falar um pouco dos aplicativos que uso para editar minhas fotos. Sou secretamente apaixonada por fotografia, amo ver fotos que contém histórias e amo tirar foto de tudo. Mas nem sempre fotos tiradas por celulares ficam com aquela "cor bonita" que a câmera profissional captura. Os apps facilitaram todo o trabalho de abrir o photoshop e passar horas editando uma foto; ficou bem mais rápido, é só escolher o efeito no app e pronto! O legal também, é que eles oferecem opções de edição além dos efeitos prontos, você pode livremente editar em cima do efeito selecionado, assim não fica preso a um padrão.
Não me apego muito a um aplicativo só, uso cada um para diferentes tipos de fotos, faço isso porque o outro pode conter um filtro que fica melhor na foto.
Já tive vários aplicativos, que desinstalei por serem bem repetitivos e não oferecem muitas opções gratuitas.
Todos os aplicativos citados aqui oferecem serviços gratuitos e pagos também. Gosto deles porque com a variedade do gratuito, você nem fica tentado a comprar mais. Mas o único que não resisti foi o VSCO Cam, que comprei alguns (acho que uns 3) pacotes com filtros, eles foram bem baratinhos e os uso bastante mesmo, então acho que valeu a pena sim.

Coloquei algumas fotos para mostrar mais ou menos como são os aplicativos e os efeitos que usei ;)


 VSCO CAM

App Store | Google Play

Quanto custa? Gratuito, com alguns efeitos pagos.




Antes e depois do efeito T1

 AFTERLIGHT

App Store | Google Play | Windows Phone Store | Windows Store

Quanto custa? R$ 2,50+



Antes e depois do efeito Row e borda transparente


 INSTASIZE

App Store | Google Play

Quanto custa? Gratuito.




Antes e depois do efeito Lincoln
Borda: Collage → Border Width
Fundo desfocado: Border → Photo → Blur

 A BEAUTIFUL MESS

App Store | Google Play

Quanto custa? R$2,50+




Antes e depois do efeito Poppy com bordas

Qual os apps preferidos de vocês?

Beijinhos e até a próxima :*